Arquivo

Archive for the ‘Coisas que gosto’ Category

Coleção Legião Urbana

Ontem fui surpreendido ao passar numa banca de jornais e encontrar o primeiro álbum da Legião Urbana embalado em formato de livreto e por módicos R$ 9,90. Ainda na banca descobri que se tratava de uma coleção distribuída pela Abril Coleções que tem o objetivo de lançar semanalmente cada um dos álbuns da Legião Urbana como parte de uma coleção em memória aos 15 anos da morte do Renato Russo. Ao todo serão 15 livros-CD, todos os álbuns de estúdio e edições ao vivo, contando histórias da banda e trazendo depoimentos e fotos raras da banda que marcou gerações e cravou seu nome como uma das mais importantes do rock nacional.

A coleção começou a ser distribuída dia 17 de outubro nas bancas e sua distribuição será semanal. A partir do quinto volume serão lançados dois volumes por semana. Como eu disse o preço do primeiro CD é de R$ 9,90 e os demais custarão R$ 17,90. Além disso, um Box acompanhará a coleção para guardar os volumes. Dado o capricho da coleção e a importância que a Legião Urbana teve pra mim eu não poderia deixar passar essa oportunidade, resultado: Comprei o primeiro volume e vou montar minha coleção.

Uma coisa me chamou a atenção, mesmo 15 anos após o fim da Legião Urbana, com a morte de Renato Russo, eu me surpreendi com a força que o grupo tem até hoje. Essa coleção não visa apenas os fãs mais antigos da banda, mas uma nova geração que só começou a ouvir as músicas do grupo quando ele não mais existia. Sem dúvida nenhuma se trata de uma ótima coleção que valoriza a história da banda e a ajuda a mantê-la mais viva que nunca.

Site oficial da coleção: http://www.colecaolegiaourbana.com.br

Urbana Legio Omnia Vincit

Força Sempre!

Rock in Rio 2011 – Eu Vou!

Quando esse post tiver ido ao ar eu estarei a destino do Rock in Rio 2011 que após 10 anos volta ao Brasil e a sua cidade natal que dá o nome ao evento, o Rio de Janeiro.

Sei que tem muita gente que não dá a mínima, que tem gente que se queixa das atrações como Rihana, Claudia Leitte, Kate Perry, etc, mas com todo o respeito eu estou indo por nomes muito mais significativos para mim e que ainda justificam o Rock que dá nome ao evento, como Sepultura, System of a Down, Red Hot Chilli Peppers e principalmente Motorhead e Metallica que já valem por todos os outros shows.

Sei que não é mais o mesmo festival que entrou para a história em 85, sei que hoje em dia os festivais não têm mais a mesma relevância que tinham antigamente quando era raríssimo poder presenciar um espetáculo de bandas tão significativas como essas, mas ainda é o Rock in Rio, ainda é Rock e ainda que não entre para a história, com certeza será um dos tantos eventos que fazem parte da MINHA história e pra mim isso é o que conta.

Verei os shows dos dias 24 e 25 de Setembro, volto pra São Paulo e depois torno a voltar ao Rio de Janeiro pra ver o último dia de evento.

Vou de mochilão nas costas, ficarei num albergue em que todos terão o mesmo destino que o meu e com um pouquinho de sorte eu volto, quem sabe, pra contar como foi essa experiência.

Aqueles que vão, nos veremos por lá, aqueles que ficam tenho certeza que curtirão muito seja pela TV, Internet ou fazendo qualquer outra coisa que não tenha nada a ver com o evento (gosto é gosto).

Semana que vem estarei de volta, bom final de semana a todos ;).

Woodstock Brasil 2010… ou melhor SWU Music + Arts

No começo desse ano surgiu o boato que o Brasil sediaria uma edição nacional do histórico festival de Woodstock, o resultado disso muita comoção e especulações. Não demorou muito e aquilo que havia sido dado como fato foi desmentido, no entanto, muita gente percebeu que havia alguma coisa no ar pra não dar em nada, então no último dia 16 de junho foi confirmado vai sim acontecer um festival de música na fazenda Maeda em Itu (interior de SP), com duração de 3 dias (9, 10 e 11 de outubro), mas o festival é o Starts With You Music + Arts.

O festival além de contar com várias bandas (em torno de 60 atrações de acordo com os organizadores) do cenário internacional procura também trazer a discussão temas como ecologia e sustentabilidade, então, durante os três dias do evento haverá também um Fórum Sustentável que receberá especialistas em ecologia e sustentabilidade, políticos, pensadores, empresários e representantes de entidades não governamentais.

Pra quem ainda acha que será um festival de pequenas proporções ou só com bandas de pouca expressão, engana-se. Até aqui já foram confirmadas as presenças de Linkin Park, Dave Mathews Band, Pixies, Incubus, Chemical Brothers e Kings of Leon. Espera-se que em poucos dias outros nomes de peso que já estão em processo de negociação também aceitem participar do evento, sendo os mais aguardados nomes como Rage Against the Machine, Smashing Pumpkins, Paul McCartney e Foo Fighters.

Um evento como esse era tudo o que estava faltando pra deixar a galera que curte o bom e velho Rock n’ Roll um pouco mais satisfeita, principalmente aqui de São Paulo, que apesar de ter recebido shows importantes recentemente pouco tem investido em festivais, não somente festivais grandes, mas é raro quando surgem iniciativas do gênero e hoje os melhores festivais de rock tem acontecidos sempre fora daqui.

Uma coisa é certa, com certeza eu vou, porque se eu não for eu mereço no mínimo me matar, já que um show como esses não acontece a muito tempo e principalmente porque eu moro a menos de 30km de Itu. Tudo bem que não vai ser um Monsters of Rock, mas ainda assim vai ser um puta show (claro, claro, também tem a questão da ecologia e sustentabilidade, mas eu vou mesmo pelo ROCK!).

Poxa… vou ficar mesmo muito feliz se o pessoal do Rage Against the Machine confirmar a presença.

Para acessar o site oficial do evento basta acessar o endereço http://www.swu.com.br/pt/festival/.

Preparem suas barracas e contemos os dias para muito ROCK N’ ROLL!

Atualização – 24/10/2010

Passadas quase duas semanas do evento cabe aqui algumas observações. Primeiro que não me matei por não ir (não lamentem), acontece que quando escrevi o post o preço ainda não havia sido divulgado e muitas bandas não haviam fechado quando os primeiros lotes de ingressos começaram a ser vendidos. O valor dos ingressos desde o início estava muito exagerado e quem comprou tinha que torcer pra que algumas bandas especuladas fechassem com o evento. Eu resolvi não me arriscar e acredito que fiz bem. Para assistir um único dia do evento eu gastaria mais de R$ 300,00 (sem contar combustível e alimentação), os shows foram curtíssimos, pouco mais que 40 minutos, isso as atrações principais, e tirando pelo Rage Against eu não curtia tanto as outras bandas, até porque do dia que eu pensei em ir eu só curtia mesmo o Rage. Enfim não fui e nem me arrependo, quanto ao evento não acredito que ele tenha sido um fracasso, pelo contrário, economicamente ele foi muito bem, contudo foi muito aquém do que se esperava.

Clássicos da literatura mundial numa banca pertinho de você

Não sou de ficar puxando sardinha pra muitas coisas que eu vejo por ai a venda, mas nesse caso eu não tenho como não falar sobre a coleção de clássicos que a Editora Abril vem distribuindo nas bancas de jornais e revistas.

Trata-se de uma coleção de clássicos da literatura lançados a preços bem convidativos e com um acabamento impecável. Ao adquirir o primeiro volume eu já me apaixonei pelo acabamento e fiquei até com vontade de adquirir os outros livros que já li ou que eu já tenho.  Todos os livros são em capa dura com acabamento em tecido, revisados pela nova ortografia e ao final de cada livro trazem informações sobre a obra e o autor.

Ao todo são 30 clássicos em 35 volumes lançados semanalmente. O livro de estréia da coleção foi Crime e Castigo (que eu tenho que admitir hoje é o meu livro favorito) de Fiodor Dostoiévski e ainda fazem parte autores como Machado de Assis, Shakespeare, Goethe, Proust, Euclides da Cunha, dentre tantos outros.

Pra quem gosta dos clássicos fica aqui uma ótima oportunidade pra tê-los e relê-los numa qualidade incrível. Pra quem não está tão familirizado com a obra desses autores posso garantir que no mínimo vale uma espiadinha, até porque o preço é muito mais convidativo que qualquer best seller moderno empesteado de vampiros chorões, pré-adolescentes salvadores do mundo, teorias da conspiração envolvendo organizações secretas pseudo-verdadeiras, etc.

Pra conhecer um pouco mais sobre a coleção acessem: http://www.classicosabrilcolecoes.com.br

Fica a dica! 😉

É HOJE! VAI CORINTHIANS!

Hoje, as 9:45 o Corinthians estreia, no ano de seu centenário, a Copa Libertadores contra o Racing do Uruguai.

Falando bem a verdade não há nada demais nisso, é só mais um jogo como tantos que o Timão terá nesse ano, mas como bom Corinthiano que sou posso dizer que eu, bem como toda a nação Corinthiana estamos BABANDO E ANSIOSOS POR ESSE JOGO!!! Esperamos que o Corinthians vença e convença.

Não quero escrever mais nada sobre esse assunto, por isso vou colocar aqui a reportagem que foi ao ar no último Esporte Espetacular que resume bem o nosso desejo por esse título.

VAI CORINTHIANS!!!

Assalto ao trem pagador (versão brasileira Herbert Richards)

Herbert Richards aos 85 anos

No último dia 20 de novembro morreu o empresário e produtor Herbert Richards, mais conhecido do grande público pela chamada “versão brasileira Herbert Richards” imortalizada em tantos filmes, desenhos e séries do que pelo seu legado.

Muito foi dito e noticiado (tudo bem, noticiado bem pouco) sobre Herbert Richards desde a sua morte, mas pelo que eu percebi foi dito mais sobre o seu papel e importância ao mercado da dublagem do que a sua importância para o cinema nacional como um todo. Verdade seja dita é fácil saber o porquê de sua importância para a dublagem brasileira (reconhecida como a melhor do mundo) já que ele foi um dos pioneiros desse segmento no Brasil e muitos filmes (Aventureiros do bairro proibido, Máquina Mortífera, Os dez mandamentos, etc), séries (Alf, A gata e o rato, Barrados no Baile, etc) e desenhos (Caverna do dragão, Thundescats, He-Man, etc) que marcaram época e gerações passaram pelos seus estúdios. Acontece que Herbert Richards deixou sua marca também na produção de filmes, ainda nas décadas de 50 e 60 seus estúdios eram a única concorrente da Atlântida (época em que o Brasil tinha uma indústria de cinema) e de seus estúdios saíram vários filmes, um em especial eu considero um dos melhores filmes já produzidos no Brasil junto com Tropa de elite, O pagador de promessas e Cidade de Deus, o ótimo O assalto ao trem pagador.

O assalto ao trem pagador foi um filme inspirado numa história real que aconteceu aqui no Brasil, o roubo ao trem pagador da Central do Brasil em 1960. O roubo de tão bem articulado estava sendo atribuído pela polícia da época a uma quadrilha internacional. Resultado disso tudo? Em 1962 foi lançado o filme que em pouco tempo se tornou sucesso de público e crítica recebendo prêmios no Brasil e no exterior, além de ter participado de outros festivais internacionais.

Eu acho que eu gosto muito desse filme por influência do meu pai, se tem um filme que meu pai lembra e fala sempre que a oportunidade aparece é esse. A riqueza dos detalhes que ele contava pra mim sobre sua cena favorita no filme me surpreendeu quando eu vi o filme pela primeira vez. A cena em questão é a da discussão (acerto de contas) entre os membros da quadrilha protagonizada principalmente pelo Grilo (Reginaldo Faria) e Tião Medonho (Eliezer Gomes), uma cena densa, intensa e contundente pode contar com todos esses atributos graças às interpretações impecáveis dos protagonistas.

Qual não foi minha surpresa quando eu encontrei no YouTube justamente essa cena que talvez seja a mais emblemática de todo o filme? Afinal de contas cena de filme brasileiro, da década de 60, preto e branco, é praticamente mosca branca ( até em locadora hoje em dia é difícil de achar). Por isso resolvi colocar dividir essa ótima cena com vocês.

Pra ninguém ficar por fora do que está acontecendo é assim: Parte do plano consistia que o dinheiro do roubo não deveria ser gasto por ninguém durante um ano inteiro e todos voltam à favela e mantém o pacto a duras penas, menos um o Grilo que começa a gastar sua parte no roubo tendo vida de “bacana” e isso desperta a ira de todos no bando. O resultado vocês conferem abaixo (o melhor é a última fala, eu sempre rio de satisfação… ou sadismo, sei lá…).

É engraçado como que por motivações diferentes uma mesma cena marca as pessoas, meu pai teve os motivos dele e eu… bom, a cena, bem como o filme todo, faz com que eu lembre de boa parte das conversas que eu tive com meu pai sobre cinema e outros assuntos.

PS: Prá não dizer que não falei mais do Herbert Richards eu posso dizer que pra mim não chega a ser uma perda para o Brasil, não por insensibilidade, mas sim porque ele foi uma pessoa que viveu plenamente até seus 86 anos de idade e deixou um legado que permanece e permanecerá por gerações. Então ao invés de lamentar uma morte, que querendo ou não é um processo que faz parte da vida, eu prefiro ver de forma positiva e lembrar que o que foi deixado foi algo bem maior que sua morte.

Velhos e Usados

marca_velhos

Em meio a mesmice e aos modismos que as grandes gravadoras e rádios tentam impor fica fácil acreditarmos que o rock nacional se resume apenas a umas poucas bandas de qualidade que conquistaram seu espaço a duras penas no final dos anos 90 e a toda uma nova geração de adolescentes com músicas chorosas e que carregam como marca a chapinha e o rímel.

NÃO SE DESESPEREM! Existe muita banda boa tocando por ai, dos mais diversos estilos e vertentes do rock, só que não ouvimos porque a maioria faz parte do cenário independente do rock nacional e hoje eu vou falar de uma dessas ótimas bandas o Velhos e Usados.

Velhos e Usados é uma banda que faz parte do cenário musical de Brasília composta pelo quinteto Arthur Lobo (baixo), David Murad (guitarra e vocal), Diego Marx (guitarra e vocal), Marco Pessoa (bateria) e Rodrigo Cavallare (teclado e programações). A banda formada em 2005 apresenta uma sonoridade rica em influências das mais diversas, sinal, talvez, da diversificada bagagem cultural e acadêmica de cada um dos integrantes da banda que resultou no excelente álbum de estreia, Híbrido.

capa-hibridoO nome do álbum já diz tudo, é uma total mistura de elementos distintos que traz como resultado um rock n’ roll urbano e bem maduro que transita por vários estilos e influências como jazz, rock alternativo e o rock progressivo. As letras são muito bem tecidas e inteligentes abordando na maioria das vezes as relações humanas e harmonizam muito bem com o som das guitarras precisas, de uma bateria muito bem marcada e um misto de efeitos sonoros hipnotizadores. Destaque para as faixas “Meio Céu”, “Jeans”, “Reflexões Voláteis” (que dá nome a esse blog), “Multifacetado”, uma excelente versão de “O Mundo” de André Abujamra (ex Os Mulheres Negras e Karnak, atualmente vem se apresentando em SP com o grupo Desengonçalves), “Invívido” e “Trapos Remendos e Azul” (lógico que isso de acordo com o meu gosto). O álbum conta com uma faixa bônus, “Sexo em poesias”, gravada nos estúdios da Trama Virtual e essa faixa, bem como o álbum inteiro estão disponíveis para download através do site da banda e no site da Trama.

Pra quem gosta de música de qualidade Velhos e Usados é uma ótima opção pra quem acreditava que não havia nada de novo no cenário nacional.

Então deixo aqui essa sugestão, façam o download das músicas ou do álbum inteiro e se gostarem divulguem, passe pra frente, porque eu acredito que quanto mais nós incentivarmos os bons trabalhos musicais disponíveis melhor será para todos, porque mercado tem de sobra.

Para conhecer um pouco mais o trabalho da banda acessem os seguintes endereços:

Para realizar o download do álbum Híbrido basta acessar o site da banda ou clicar aqui.